Para uma melhor experiência no site, recomendamos o uso de um navegador diferente.
A utilização do Internet Explorer pode impedir que você acesse o site Chubb.com e alguns recursos podem não funcionar como esperado.

X
skip to main content

Para quem trabalha num ambiente profissional sob forte tensão, com prazos de entrega apertados e cobranças excessivas da chefia, entre outras dificuldades, não é raro notar um colega que sempre foi animado e proativo mudar radicalmente de comportamento. Primeiro vem o desânimo e a dificuldade de concentração, depois reclamações de cansaço físico e mental, alterações no apetite e até insônia. 

De início, normalmente se atribui essa mudança de comportamento do colega a problemas pessoais, surgidos longe do ambiente de trabalho, pois, afinal, a rotina profissional sempre foi a mesma para todos e os demais colegas não demonstram passar pelo mesmo desconforto.

Mas o aumento significativo nos últimos anos de casos como o descrito acima no ambiente profissional levou especialistas em saúde mental a interpretar essa mudança de comportamento como síndrome de Burnout ou síndrome do Esgotamento Profissional. Trata-se de um distúrbio emocional resultado de longos e excessivos níveis de estresse provocado por condições de trabalho desgastantes, que demandam muita competitividade ou responsabilidade.

Ou seja, a principal causa da síndrome é justamente o excesso de trabalho. Ela atinge com frequência profissionais que atuam diariamente sob pressão e com responsabilidades constantes, como médicos, enfermeiros, professores, policiais, jornalistas e bombeiros, além daqueles que enfrentam dupla jornada.

Principais sintomas

Muitas pesquisas atestam que pessoas ansiosas, com dificuldades para tolerar frustrações, perfeccionistas e com dedicação exagerada às tarefas, têm tendência a desenvolver a síndrome. Além disso, esse perfil profissional geralmente tem altas expectativas sobre si que, somadas à necessidade de serem reconhecidas profissionalmente, ou pelo receio de perder o emprego, tem dificuldade de falar não, fazendo mais do que o necessário, num processo que, para elas, sempre será insuficiente, levando-as à exaustão.

Quando desenvolve a síndrome, é comum o profissional relegar família e amigos a segundo plano, pois costuma se convencer de que sempre há tarefas urgentes que precisam ser entregues. Num ciclo autodestrutivo, tudo colabora para o esgotamento físico, mental e emocional. É justamente esta sobrecarga no corpo que aumenta a fragilidade física, enquanto a mente desenvolve um sentimento de apatia e pessimismo, com diminuição da vontade de trabalhar.

A expressão “síndrome de Burnout” foi cunhada pelo psicanalista americano Herbert Freudenberger em 1974. O termo “burn out” – que significa “queimar por completo” em inglês — já é uma referência ao que ocorre com a saúde psicológica do funcionário conforme a doença se agrava: ele é tomado cada vez mais pelo estresse, até se esgotar completamente.

 

Doença do trabalho para a OMS

Desde o dia 1º de janeiro de 2022, a síndrome de Burnout passou a ser considerada uma doença ocupacional, conforme a nova classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS). A entidade define como doença ocupacional os problemas de saúde contraídos pelo trabalhador após ficar exposto a fatores de risco decorrentes da sua atividade laboral, que afetam sua saúde física e mental.

Pela legislação brasileira, o trabalhador diagnosticado tem direito a 15 dias de afastamento remunerado. Acima desse período, recebe o benefício previdenciário pago pelo INSS – o auxílio-doença acidentário, que garante a estabilidade provisória, ou seja, este indivíduo não pode ser dispensado sem justa causa nos 12 meses após o seu retorno.

Embora descrita pela primeira vez há quase 50 anos, a síndrome de Burnout ganhou relevância mais recentemente. Segundo estudo de 2015 da International Stress Management Association (Isma-BR), cerca de 30% das pessoas economicamente ativas no Brasil já conviviam com a doença. Médicos e gestores relatam que o distúrbio teve aumento significativo de casos confirmados após o surgimento da pandemia do novo coronavírus, que empurrou cerca de 8,2 milhões de trabalhadores brasileiros para o home office, de acordo com estudo do IBGE difundido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

A necessidade de trabalhar de casa, muitas vezes sem condições adequadas, obrigando o funcionário a dividir o espaço da residência com esposa e filhos, além do desvio de atenção para tarefas domésticas durante o horário comercial, afetou a saúde mental muitas pessoas que antes trabalhava num ambiente exclusivamente profissional. De acordo com as informações do Ministério Público do Trabalho, entre os anos de 2019 e 2020 (auge do isolamento social causado pela pandemia) o Brasil relacionou um crescimento de 30% nos pedidos de auxílio-doença por trabalhadores com transtornos psicológicos.

A volta paulatina do trabalho presencial permite aos gestores identificar com mais facilidade os sintomas da síndrome de Burnout entre os funcionários. O primeiro sinal é a mudança de comportamento do colaborador, por meio da qual é possível notar quando ele está estressado além da conta no trabalho. Outra dica é reparar se há exagero no uso de estimulantes, como café, refrigerante e cigarro para permanecer alerta. O uso de álcool como forma de relaxamento também pode aumentar, e quem convive com a pessoa muitas vezes é capaz de perceber a mudança no consumo.

 

Burnout x depressão e estresse

Especialistas, no entanto, advertem que a síndrome de Burnout, por influenciar a saúde mental e causar problemas mais sérios, pode ter seus sintomas confundidos com a depressão e outros transtornos de ansiedade. É importante enfatizar que, na hierarquia de descrições diagnósticas, o Burnout é considerado uma condição menor, relacionada exclusivamente ao trabalho.

As características da síndrome são sentimentos de esgotamento, exaustão ou falta de energia para exercer práticas profissionais; aumento da distância mental do trabalho, ou sentimentos de negativismo em relação à profissão; e a sensação de ineficácia ou falta de realização profissional. 

Num quadro de depressão, o paciente demonstra a mesma tristeza e desânimo em outras atividades que nada têm a ver com o trabalho, numa viagem com a família e até numa festa entre amigos.  A perspectiva de vida muda – nada traz conforto, nem os bons momentos ao lado de pessoas próximas. Especialistas advertem, porém, que o Burnout pode levar à depressão.

No caso da comparação com os sintomas dos transtornos de ansiedade mais agudos, mais uma vez os sinais deixam de estar associados somente com as questões profissionais -- a pessoa se percebe ansiosa a maior parte do tempo, passa a ter sintomas físicos, como sensação de aperto no peito, batimentos cardíacos acelerados, tremores. 

 

Tratamento para a Síndrome de Burnout

Por ser um distúrbio de origem emocional, o tratamento da síndrome de Burnout requer alguns cuidados, muitos deles subjetivos, que não cabem num receituário médico fechado. Prática de atividades físicas, alimentação balanceada, horário controlado para dormir e até a busca de propósitos para a vida que vão além do trabalho ajudam a pessoa a restabelecer o equilíbrio.

Do ponto de vista clínico, o tratamento da síndrome de Burnout é feito basicamente com psicoterapia, mas também pode envolver medicamentos (antidepressivos e/ou ansiolíticos) receitados por um psiquiatra. O tratamento normalmente surte efeito entre um e três meses, mas pode perdurar por mais tempo, conforme cada caso.

Como se trata de um distúrbio causado por estresse no ambiente profissional, após o diagnóstico médico é recomendado que a pessoa tire férias, saia do ambiente cotidiano e desenvolva atividades de lazer com pessoas próximas, como família e amigos. Além disso, claro, é preciso esquecer um pouco o que deixou para trás no trabalho.

Este documento é de natureza consultiva e é oferecido como um recurso a ser usado em conjunto com seus consultores profissionais de seguros na manutenção de um programa de prevenção de perdas. É apenas uma visão geral e não se destina a substituir a consulta com seu corretor de seguros ou aconselhamento jurídico, de engenharia ou ajuda de outro profissional.

Chubb é o nome de mercado usado para se referir às subsidiárias da Chubb Limited que fornecem seguros e serviços relacionados. Para obter uma lista dessas subsidiárias, visite nosso website em www.chubb.com. Seguro fornecido pela ACE American Insurance Company e por afiliadas da Chubb por subscrição nos Estados Unidos. Todos os produtos podem não estar disponíveis em todos os estados. Esta comunicação contém apenas resumos do produto. A cobertura está sujeita ao idioma das apólices efetivamente emitidas. Seguros de linhas excedentes são vendidos apenas através de produtores de linhas excedentes licenciados. Chubb, 202 Hall's Mill Road, Whitehouse Station, NJ 08889-1600.