Para uma melhor experiência no site, recomendamos o uso de um navegador diferente.
A utilização do Internet Explorer pode impedir que você acesse o site Chubb.com e alguns recursos podem não funcionar como esperado.

X
skip to main content

Com mais de 30 anos no mundo dos seguros e uma importante contribuição do sindicato, este engenheiro convida você a valorizar e aprimorar o papel dos corretores.

Há mais de 35 anos, recém-formado em engenharia civil, José Ávila viajou para a Itália para estudar projeto de pontes. Nunca imaginei que, ao retornar a Quito, descobriria uma nova paixão no mundo dos seguros. 

“Eu queria me dedicar ao que tinha estudado, mas na época não tive essa opção, então comecei a trabalhar em uma seguradora supervisionando as apólices das empreiteiras com meu suporte técnico”, conta. “Ali me apaixonei pelo mercado de seguros: fui atraído por interagir com tanta gente, ir a canteiros de obras, fábricas e aplicar meus conhecimentos de engenharia estrutural na venda de seguros. Em pouco mais de um ano fui mordido pelo bicho de continuar de forma independente, com minha própria corretora".

Com a ajuda de seu pai, que já estava aposentado na época e o apoiou pelos próximos 20 anos na parte administrativa, Ávila deu vida à empresa que ainda lidera e que hoje conta com 16 funcionários.

Desde o início, ele tem uma relação virtuosa com a Chubb: “Quando comecei, procurei uma seguradora para obter suporte que depois foi comprada pela Chubb. Eles foram meus patrocinadores para obter as credenciais que eu precisava para trabalhar na área”, explica. “Ao longo do tempo, consolidamos uma relação muito afetiva. As pessoas da Chubb, em todas as áreas, são muito calorosas, amigáveis, honestas e confiáveis. É uma empresa que oferece um ótimo suporte. Comprovei a grande solvência e transparência que tem na hora de pagar um sinistro”. 

Nas últimas décadas, Ávila teve uma importante participação nas associações comerciais do mundo segurador equatoriano: em 2001, o diretório da Associação de Seguradoras do Equador (ACOSE) o reconheceu por sua contribuição ao setor; Entre 2003 e 2005, foi Presidente da Associação Nacional de Assessores de Produtores de Seguros do Equador (ANACSE), à qual ainda pertence, e participou da Confederação Pan-Americana de Produtores de Seguros (COPAPROSE). Sua motivação? Conheça as diferentes culturas em torno do seguro e destaque o papel dos agentes e corretores.

"Verifiquei a grande solvência e transparência que a Chubb tem na hora de pagar um sinistro".

“O consultor de seguros será sempre indispensável, pela confiança que oferece no olho no olho. As tecnologias são uma boa ferramenta para agilizar processos, manter-se conectado, ter acesso remoto e oferecer velocidade, mas o relacionamento pessoal com os clientes é essencial nesse negócio”, afirma.

Para crescer no mundo dos seguros, Ávila recomenda:

 

  • Invista em treinamento. “Treinar as pessoas que estão em sua equipe é essencial, pois quanto mais profissional sua equipe se tornar, melhor será o serviço que você pode entregar”, diz José. Nesse sentido, ele teve uma experiência muito boa com os treinamentos oferecidos pelo Chubb Agent Development Center (CDAC), onde valoriza especialmente os cursos relacionados aos aspectos técnicos do trabalho no mercado segurador.
  • Trabalhe apenas com companhias de seguros sérias. “Um bom consultor de seguros vende dignidade, confiança e apoio. Deve transmitir segurança, e isso só é possível quando se trabalha com empresas como a Chubb, que são sérias e cumprem o estipulado nos contratos, em tempo limitado”.
  • Atreva-se a inovar. Recentemente, a Ávila associou-se à Chubb para comercializar o microsseguro, que é distribuído por canais não tradicionais, como universidades ou empresas de varejo. São apólices de seguro de baixíssimo custo (podem não custar mais de três dólares por mês) que oferecem coberturas pequenas, mas são muito valorizadas por um público que, em geral, não tem acesso a seguros.
  • Ative as políticas de marketing sistematicamente. Durante a pandemia, Ávila estabeleceu um sistema de incentivos tangíveis por meio de promoções associadas à compra de seguros, oferecendo desde aparelhos auditivos ou ingressos de cinema até brindes surpresa. "A cada trimestre avaliamos a continuidade desse tipo de iniciativa após medir sua relação custo-benefício", explica. Além disso, recentemente um gerente de marketing vem trabalhando para dinamizar a comunicação da corretora por meio das redes sociais. Seu objetivo é captar o interesse do público mais jovem e ajudar a construir uma cultura de seguros nas novas gerações.
  • Priorize a qualidade humana ao contratar. “O humano é o mais importante, porque o resto pode ser aprendido. Uma pessoa que quer trabalhar em seguros deve ter o serviço em sua mente e em seu coração. Seja também honesto, transparente e ético. Não ofereça coisas que não correspondem apenas para obter lucro.”
  • Aumente as letras pequenas. Ao efetivar uma apólice após um acidente, o cliente não encontra surpresas. “Para evitar divergências, é fundamental ampliar as letras miúdas e deixar bem claro. O vendedor deve vender o que é, mesmo sendo difícil. É a única forma de conquistar a confiança dos clientes, garantir o crescimento da carteira e reafirmar o papel do consultor de seguros”, afirma Ávila.